Página HCI
O HCI
Corpo Clínico
Serviços
Convênios
Contato
Localização
Portais
Artigos
Sobre processo de Morte Encefálica e Doação de Órgãos
Data: 16/03/2020
Especialidade: Processo de Doação e Morte Encefálica
Autor: Enfermeira Camila Fetsch COREN: 446640. CIHDOTT HCI- GESTÃO 2020.

Sobre processo de Morte Encefálica e Doação de Órgãos

 

1-    O que é Doação de órgãos? Doação de Órgãos é um ato nobre que pode salvar vidas. Muitas vezes, o transplante de órgãos pode ser a única esperança de vida ou a oportunidade de um recomeço para as pessoas que precisam de doação. É preciso que a população se conscientize da importância do ato de doar um órgão. Hoje é um desconhecido, mas amanhã pode ser com algum amigo, parente próximo ou até mesmo você. Doar Órgãos é doar vida.

 

2-    O que é Morte Encefálica? A morte encefálica é a perda completa e irreversível das funções encefálicas (cerebrais), definida pela cessação das funções corticais e de tronco encefálico, portanto, é a morte de uma pessoa. Em comum, as diversas causas têm como mecanismo o aumento da pressão intracraniana, que determina a impossibilidade de fluxo sanguíneo cerebral. Sem sangue não há oxigênio ou glicose e a vida não pode ser preservada.

 

3-    Como é realizado o diagnóstico de Morte Encefálica? O diagnóstico é regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina. Em 2017, o CFM retirou a exigência do médico especialista em neurologia para o diagnóstico de morte encefálica, assunto amplamente debatido e acordado com as entidades médicas. Deste modo, a constatação de morte encefálica deverá ser realizada por médicos com capacitação especifica, seguindo o protocolo estabelecido. Para o diagnóstico de morte encefálica, são utilizados critérios precisos, padronizados e passiveis de serem realizados em todo o território nacional.

 

4-    Quero ser doador de órgãos. O que fazer? Se você quer ser doador de órgãos, primeiramente avise sua família. Os principais passos para doar órgãos são:  para ser um doador, basta conversar com sua família sobre o seu desejo de ser doador e deixar claro que eles, seus familiares, devem autorizar a doação de órgãos. No Brasil, a doação de órgãos só será realizada após autorização familiar. Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela central de transplantes da secretaria de saúde de cada estado e controlada pelo sistema nacional de transplantes (SNT).

 

5-    Quais são os tipos de Doador? Existem dois tipos de doador. 1) o primeiro é doador vivo: Pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau, conjugues podem ser doadores. Não parentes, só com autorização judicial. 2) O segundo tipo é o doador falecido: são pacientes com morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como Traumatismo Craniano ou AVE (Acidente Vascular Encefálico).

 

6-    Qual tempo de isquemia de cada órgão? O tempo de isquemia é o tempo de retirada de um órgão e transplante deste em outra pessoa. O tempo de isquemia aceitável para cada órgão a ser considerado para transplante. Coração: 04 horas; Pulmão: 04hs a 06hs; Rim: 48hs; Fígado: 12 horas; Pâncreas: 12 horas.

 

7-    Após a doação, o corpo do doador fica deformado? Não. A retirada dos órgãos é uma cirurgia como qualquer outra e o doador poderá ser velado normalmente.

 

8-    Podemos escolher o receptor? Na doação em vida sim, desde que atendida a legislação vigente. Para a doação após a morte, nem o doador, nem a família podem escolher o receptor. Este será sempre o próximo da lista única de espera de cada órgão ou tecido, dentro da área de abrangência da Central de Notificação, captação e distribuição de órgãos e tecidos (CNCDO) do seu local.

 

9-    Quando uma pessoa entra em coma, torna-se um potencial doador? Não. O coma é um processo reversível. Morte Encefálica, como o próprio nome afirma, é irreversível. Uma pessoa somente torna-se potencial doador após o diagnóstico de morte encefálica e autorização da doação dos órgãos pela família.

 

10-  Qual é o custo da doação para os familiares do doador? Nenhum. A família do doador não paga nada e tampouco recebe qualquer pagamento pela doação. A doação é um ato humanitário, que pode beneficiar qualquer pessoa, sem distinção de sexo, credo, raça, etc.

 

11-  Existem casos que possam ser priorizados na lista de espera? Sim, algumas condições clínicas do paciente permitem o acesso mais rápido ao transplante, como as situações de extrema gravidade. Exemplos destas situações emergenciais é a impossibilidade total de acesso rápido para dialise, no caso de doentes renais; a insuficiência hepática aguda grave, para doentes de fígado; necessidade de assistência circulatória, para pacientes cardiopatas; e rejeições recentes de transplantados.

 

12- Quais tecidos podem ser doados? Podem ser doados os tecidos oculares como córnea e esclera, e também pele, ossos, cartilagens, tecidos cardiovasculares como valvas cardíacas, vasos, entre outros.

 

13-  Sua religião proíbe a doação de órgãos?  Todas as organizações religiosas aprovam a doação de órgãos e tecidos e a consideram um ato de caridade.

 

14-  Como meu familiar está morto se o coração está batendo e ele está respirando? São questões distintas, porem com o mesmo fundo. Os batimentos do coração são sustentados por automatismo próprios do órgão e ajustados por medicamentos administrados ao paciente. Já a ventilação e totalmente artificial, significando que o paciente não respira e é ventilado por ventilador mecânico. Todos os indivíduos em morte encefálica são incapazes de respirar.

 

15-  Quais órgãos podem ser doados? Coração, pulmões, fígado, pâncreas, os rins e o intestino. A doação de cada órgão depende tanto das condições clinicas do doador quanto da existência de receptores em lista para o órgão doado.

 

16-  Quem pode assinar a autorização a doação? A autorização para a doação de órgãos e tecidos ´pode ser assinada por familiares até o segundo grau. Ou seja, se eu sou o doador, minha autorização pode ser feita por meus avós, filhos, netos, e também pelo cônjuge. Para menores de 18 anos, é necessária a autorização de pai e mãe.  Quaisquer outras situações requerem autorização da justiça.

 

17- Como funciona a lista de espera? A lista de espera obedece a critérios de compatibilidade sanguínea e genética, seguida da gravidade da doença e por último a data de inscrição do paciente. Assim, estabelece justiça na distribuição de órgãos, uma vez que estes serão primeiramente ofertados para os pacientes compatíveis e mais graves.

 

 

 

 

HCI - Hospital de Caridade de Ijuí
Av. David José Martins, 152, Centro - Fone: (55) 3331-9300 - Ijuí - RS - CEP 98700-000
Hospital de Caridade de Ijuí | Copyright 2011-2020 . Todos os direitos reservados.
Clic Publicidade
Twitter HCI
Facebook HCI
YouTube