Página HCI
O HCI
Corpo Clínico
Serviços
Convênios
Contato
Localização
Portais
Histórico

Primeiro Prédio

No inicio da década de 30, o crescimento do comércio, da indústria e das escolas no município de Ijuí evidenciou a necessidade de atendimento médico-hospitalar.

 

A idéia de construir um hospital cresceu com a chegada dos médicos Amadeu Ferreira Weimann, Agostinho Brenner e Caio Neves Coelho, que contaram também com o incentivo de Álvaro Batista de Magalhães, Ulrich Löw e Antônio Setembrino Lopes. O sonho começou a tomar forma em 1933, quando a família Chiapetta doou dois terrenos para a construção do Hospital de Caridade de Ijuí.

 A fundação da Associação Hospital de Caridade Ijuí, data de 19 de junho de 1935, cncretizada mediante Assembléia na qual foram aprovados seus Estatutos. Em apenas um ano a instituição já reunia 80 sócios.

 O primeiro pavilhão do Hospital foi inaugurado no dia 09 de junho de 1940, sendo que o seu funcionamento ficou sob responsabilidade das Irmãs "Filhas do Sagrado Coração de Jesus".

 O Primeiro presidente da Associação foi o Dr. Artur Oscar Germany, que exerceu o cargo até 1940, quando então foi eleito o Sr. Antônio Setembrino Lopes, permanecendo no cargo, por sua vez, até o ano seguinte. O presidente seguinte foi David José Martins, que executou seu mandato até 1959. A construção do segundo pavilhão, bem como a remodelação e modernização do Bloco Cirúrgico, ocorreu durante a gestão exercida pelo comandante Henrique Rodolfo Gressler, até 1972, quando então o cargo passou para o Sr. Leony Coimbra de Souza, que exerceu até 1975. O Sr. Amadeu Ferreira Weimann, por sua vez, exerceu o cargo desta data até 1979, quando assumiu o Sr. Milton Ways, que exerceu as funções até 1986.

 A ousadia dos pioneiros liderados pelo juiz da Comarca de Ijuí, Artur Oscar Germany, ao fundar a Associação Hospital de Caridade juí, a 19 de junho de 1935, foi retomada, com mais ousadia, 50 anos depois, em 1985.

 Foto PerondiUm grupo de médicos começou a se reunir, insatisfeito com os rumos que tomava o Hospital, divorciado da comunidade e em estado de pré-falência técnica e financeira. Entre eles estava o pediatra Darcísio Perondi, que se destacava em nível estadual e nacional pelas campanhas em prol do aleitamento materno. Ijuí vivia a Retomada do Desenvolvimento, ganhava uma Universidade, precisava evoluir na área da saúde. O grupo buscou lideranças da comunidade e encaminhou uma chapa para disputar a eleição em 19 de junho de 1986.

 

 

Foi uma Assembléia histórica. Venceu a chapa liderada por Darcísio Paulo Perondi, com a proposta de abrir o Hospital à comunidade. A nova Diretoria enfrentou imensos desafios. O processo de mudança exigiu novas posturas dos profissionais de saúde, da área técnica e da área administrativa, contrariando lideranças tradicionais que julgavam isso impossível. A nova diretoria brigou muito pela profissionalização administrativa, pela contratação de auditoria externa, pela chefia de uma enfermeira-chefe, pela abertura do corpo clínico a novos médicos, pelo apoio da população ijuiense e regional.

 

"O Hospital é da Comunidade é a Comunidade é Você" traduzia a nova imagem e acabou consolidando o trabalho nessas últimas décadas. Estava introduzida a gestão baseada no tripé comunidade, diretoria e equipe profissional. Iniciava-se um novo ciclo de evolução permanente e constante.

 

Em oito anos, triplicou o número de associados. A diretoria buscou aproximação com associações de bairros e sindicatos que passaram a ter representação. A comunidade passou a apoiar, a criticar, ajudar e ver resultados. O Hospital passou a fazer parte da Comissão de Saúde, hoje Conselho Municipal de Saúde. Funcionários passaram a ser ouvidos e, em 1987 criaram a sua Associação, a AFHOCAI, que construiu, com apoio da diretoria, a sua sede própria. A creche foi ampliada e mereceu carinho especial.

 

Mas um desafio maior precisava ser superado. Diretorias anteriores haviam promovido reformas e ampliações, mas era preciso construir um novo espaço, maior, definitivamente ajustado às necessidades. Chefias foram consultadas, a diretoria foi firme e, em julho de 1988, empresa de engenharia especializada em hospitais apresentava e primeiro projeto e o desenho de fachada do terceiro bloco. A pedra fundamental foi lançada em novembro e em janeiro de 1989 foram iniciadas as escavações das fundações.

 

O TERCEIRO BLOCO

 

A participação da comunidade foi decisiva para a concretização do terceiro bloco. Começou em Ijuí, expandiu-se para a região e promoveu uma revolução na população do Estado, a través do Bônus da Saúde.

 

 

Em Ijuí, donativos de todo o gênero, inclusive a de uma dúzia de ovos, chegavam àConstrução do Terceiro Bloco administração do Hospital. Foi formada uma Comissão de Obras, integrada por lideranças da comunidade, que administrava os recursos e processos de licitação. Grupo de mulheres organizou a campanha do tijolo nas escolas. Clubes de serviço e comunidades religiosas promoveram eventos com lucro para a obra. Prefeituras doavam areia e pedra brita. Empresários foram chamados a participar do Carnê Comunidade. Médicos contribuíram mensalmente para custear a mão-de-obra. A Campanha da Soja, junto a agricultores de 40 municípios da região, arrecadou 20 mil sacas nas safras de 1989 e 1990. Rifas e o Bingo da Saúde incrementaram a arrecadação.

 Autoridades, políticos, médicos, dirigentes hospitalares e parceiros vinham conhecer a obra. O mutirão comunitário envolveu até uma organização social de Grabenstätt, na Alemanha. A Fundação Internacional de Lions Clubes fez a doação de US$50mil. Equipamentos usados foram doados dos Estados Unidos pela American Medical Foundation.

 Mas o grande salto foi proporcionado pelo Bônus da Saúde, uma iniciativa inédita no Estado e que o presidente Darcísio Perondi e sua diretoria tiveram a ousadia de implantar, em parceria com hospitais filantrópicos de Santa Maria, Pelotas, Caxias do Sul e Passo Fundo. Foi um empreendimento arrojado, sério, de amplo alcance social que divulgou Ijuí e sua energia comunitária para todo o País. O Bônus da Saúde proporcionou, de 1990 a 1994, a conclusão da estrutura de 8.200 m2, a ampliação do número de leitos, a aquisição de moderna tecnologia e o atendimento qualificado. O Hospital investiu, na construção do terceiro bloco, US$3.500.000,00 em área física e US$1.700.000,00 em tecnologia, proporcionando à sua equipe de saúde uma das melhores estruturas do Estado.

 

Cada inauguração de setor causava novas alegrias. A primeira foi a da Radiologia, em novembro de 1992. Seguiram-se a da Oftalmologia, em março de 93, a dos Recursos Humanos, Banco de Sangue, Banco de Leite e estar médico, em dezembro de 93 e da primeira unidade de internação, no quinto piso, em janeiro de 1994. Em setembro de 94, uma bela solenidade marcou a inauguração do pronto socorro e do ambulatório, no subsolo, e de todo o primeiro piso, com a recepção principal, farmácia e laboratório. O moderno auditório foi equipado mais tarde.

 Nos anos seguintes foram sendo instalados a internação no quarto piso, centro cirúrgico e UTI adulto, centro obstétrico e a UTI de crianças e recém-nascidos, que tem sido um instrumento da redução da mortalidade infantil na região.

 

CONQUISTAS MARCANTES

Paralelamente à construção do terceiro bloco, foram sendo feitas reformas e adaptações nos demais blocos. Um dos exemplos expressivos foi a instalação da Unidade de Hemodiálise. O Hospital passou a realizar transplantes de córneas e transplantes renais; investiu em urologia; aplicou recursos em endoscopia e tomografia. Introduziu o cargo de diretor técnico, passou a contratar médicos para o plantão 24 horas, adotou de forma pioneira na região, em 1994, o programa de Qualidade Total visando encantar o cliente, lançou programa de qualidade médica orientado pela Associação Paulista de Medicina, apoiou a realização de jornadas médicas e de treinamentos e seminários de funcionários, informatizou o hospital e instalou dezenas de novos serviços.

 

A administração, componente do tripé com a diretoria e a comunidade, foi desafiada a enfrentar e superar muitos desafios. Mudou a configuração do quadro de chefias, que buscam harmonizar e fazer avançar o trabalho na instituição. O papel do administrador passou a ser fundamental.

 

Germano Gazolla (de 86 a julho de 95) foi o primeiro a trabalhar com o presidente Perondi, sendo inclusive coordenador do Bônus da Saúde. Atuaram também na função Gerson Franco (dezembro de 86 a maio de 92), Fernando Maria Branco (dezembro de 91 a julho de 1996), Orlando Belli (96 a 98), Edemar Paula da Costa (de janeiro de 99 a março de 2002) e José Carlos Nascimento (junho de 2002 a junho de 2004), tendo como administrador adjunto João Luiz Leone de Senna, que assumiu como titular a partir de abril de 2005.

 

AS OUSADAS DIRETORIAS

 

A diretoria da Associação Hospital de Caridade de Ijuí exerce o controle comunitário sobre toda a dinâmica do Hospital, representando os associados. Fundamenta sua ação nos três "Cs" do voluntariado: consciência, comprometimento e constância. Dirige esta grande empresa social que não pára nunca, cuida de vidas humanas e tem como cliente o SUS.

 

Os líderes de 1935 implantaram aqui o modelo das Santas Casas de Misericórdia, oriundas de Portugal no século XVI. Hoje, são reconhecidas como pioneiras no movimento de organização social no Brasil.

 

As sucessivas diretorias se ativeram a esse papel, retomado com força, ousadia e perseverança a partir de 1986. Muito dessa ousadia se deve ao ex- presidente Darcísio Perondi, atual conselheiro fiscal, que provocou a diretoria a ir muito além de suas atribuições estatutárias. Tem sido assim nestas últimas décadas, com reuniões periódicas e  decisivas para a continuidade do crescimento da instituição.

  Os médicos que participaram da diretoria no período 1986 a 1994 foram: Paulo de Tarso Craidy, Cláudio Michel, Carlos Alberto Dias, Alencar Bernardi de Souza, Carlos Marques e Silva, João Batista Zimmermann, João Alberto Kopf, Maria Luiza Meister Pinto, Sérgio Dutra e Nelson Lozza Quinto. A partir de 2000, integrou-se ao grupo a dra. Marília Thomé da Cruz.

 UTI´s, CACON , PLANO DE SAÚDE E INSTITUTO DO CORAÇÃO

 

 UTI Neo/Pediátrica

A ocupação completa do terceiro bloco teve sua culminância no ano 2000, com unidade deinternação pediátrica e a sonhada UTI neonatal e pediátrica, inaugurada pelo ministro da Saúde, senador José Serra. Ao mesmo tempo, era ampliado o Serviço de Hemoterapia. Reformas no primeiro bloco permitiram a ampliação física e tecnológica da Hemodiálise.

 

 

 

CACONNa sua visita, o ministro Serra lançou a pedra fundamental do Centro de Alta Complexidade em Oncologia, sinalizando a determinação do presidente Darcísio Perondi em articular a escolha de Ijuí para os investimentos no tratamento do câncer. A parceria tornou-se realidade em 2002 e em 2003 o Cacon abriu as portas, funcionando plenamente desde 2004. Em dezembro de 2003, o HCI obteve autorização da Agência Nacional de Saúde Complementar, para operar, a partir de 2004, o Plano HCI Saúde, atualmente Unimed/Noroeste/RS.

 

 

Em 2007, o desafio foi a inauguração do Instituto do Coração, uma parceria do HCI com o Ministério da Saúde e com o Governo do Estado.   A diretoria do HCI sempre buscou parcerias importantes para conseguir atingir objetivos bem claros da intituição, em cima de um planejamento estratégico organizado até 2013. Na verdade, o HCI está focado naquilo que é sua vocação, trazer novas tecnologias e oferecer serviços que os demais hospitais não possuam, evitando assim uma competição desnecessária e reforçando a condição de hospital macrorregional. A meta traçada há cinco anos de garantir um serviço de cardiologia de primeiro mundo é sem dúvidas a maior conquista da instituição, mais mais do que nunca uma conquista da comunidade de Ijuí e de toda a região.  A determinação  da diretoria do HCI, foi determinante para a efetiva implantação do Instituto do Coração, que hoje realiza consultas, exames, as mais complexas cirurgias do coração, cateterismo, angioplastia e ainda trata de doenças neurológias e vasculares. Também conta um atendimento diferenciado em infra-estrutura apropriada, como a UTI Coronariana, uma unidade de cuidado médico intensivo especializada em doenças do coração, em especial aquelas decorrentes de deficiência de circulação, como infarto. A UTI Coronariana é a quarta unidade de tratamento intensivo, junto com as UTIs Adulto, Neonatal e Pediátrica. Assim como os demais, funciona durante às 24 horas do dia, com dez leitos. 

Sem dúvida, uma bela caminhada. onde a diretoria estimula a transformar desafios em oportunidades, em consolidar competências em várias áreas de atendimento, contando com a força do quadro administrativo, do empenho da equipe de saúde e da equipe técnica. E a comunidade ajudou a construir uma nova história para o seu hospital, que hoje tem como presidente, o voluntário Claudio Matte Martins.

 

 

Vente toulouse, achat cialis france pharmacie. Est-ce possible de les acheter sans ordonnance et ou les trouver?

Acheter pfizer, generic cialis professional acheter sans ordonnance. Notre choix des produits pour vous.

Achat ligne, levitra original pas cher. Les particularites du medicament.

Acheter en italie, kamagra en pharmacie en france. Description detaillee des medicaments.

HCI - Hospital de Caridade de Ijuí
Av. David José Martins, 152, Centro - Fone: (55) 3331-9300 - Ijuí - RS - CEP 98700-000
Hospital de Caridade de Ijuí | Copyright 2011-2021 . Todos os direitos reservados.
Clic Publicidade
Twitter HCI
Facebook HCI
YouTube